quarta-feira, 7 de julho de 2010

De Leve

Weverton complicado

Muita gente espera que o candidato Weverton Rocha, ex-chefe da Secretaria de Esportes e Lazer no governo Jackson Lago, vai ter sua candidatura impugnada. Afinal, ele se enrolou todo com o dinheiro de duas reformas e uma reconstrução do ginásio Costa Rodrigues, sendo que ali foram gastos cerca de 6 milhões de reais.

Alguns chegam a dizer que com o dinheiro dava para construir três andares de ginásio.

Comentam que foi mera coincidência o fato de que as duas reformas e a reconstrução do Ginásio Costa Rodrigues foram feitas pela mesma empresa construtora.

Coordenador

Convidado para coordenar a campanha da governadora Roseana Sarney, candidata à reeleição, o prefeito de São José de Ribamar, Luis Fernando, aceitou o convite e vai tirar licença do cargo.

Brigando feio

As lideranças da oposição estão mesmo querendo facilitar as coisas para o grupo Sarney, nas eleições deste ano. É confusão pública entre nomes como José Reinaldo Tavares, Edson Vidigal e Roberto Rocha, que vão decepcionando o eleitor que se pretendia na oposição. Eles disparam, uns contra os outros, críticas duras, que só partiriam de adversários.

O grupo Sarney, penhoradamente, agradece.

Zé Reinaldo sem Sarney

O ex-governador José Reinaldo Tavares poderá pela primeira vez disputar uma eleição para um cargo político sem o apoio da família Sarney. Com a exceção do curso de engenharia civil, todos os cargos que constam do seu currículo foram alcançados por indicação de José Sarney e Roseana Sarney. Se foi dirigente da Novacap, Dnocs, Sudene, Ministro dos Transportes, deputado federal, Secretário de Obras do Estado, vice e Governador do Estado, nada foi conquistado por esforço seu, mas do grupo político que o apoiou por décadas. Diante das suas falácias e agressões as pessoas que fizeram o seu currículo, o ex-governador José Reinaldo Tavares tem uma oportunidade impar para mostrar o seu prestígio político pessoal como candidato ao senado. Caso não obtenha sucesso em sua primeira disputa eleitoral sem o apoio do grupo Sarney, nada poderá contestar apenas caminhar para o ostracismo.

Multas pesadas

Depois das convenções e do intenso debate da pré-campanha, julho marca o início, para valer, das campanhas eleitorais. A partir de agora começa o período em que é permitida a propaganda eleitoral, mas ao mesmo tempo há uma série de restrições para os candidatos.

Cerrado maranhense na mira
  
O cerrado maranhense poderá ser totalmente destruído e com maior celeridade, caso sejam concluídos negócios com a Coréia do Sul e a China para a implantação de projetos de culturas extensivas. Os municípios de Balsas, Grajaú, Tasso Fragoso, Alto Parnaíba e outros em dimensões menores integram os interesses do capitalismo internacional para a produção de soja, arroz, milho, banana e óleos vegetais com a finalidade exclusiva para a exportação. Segundo a organização não governamental Repórter Brasil, o município de Balsas é o sexto em todo o Brasil que mais destruiu áreas específicas do cerrado, atingindo 874,41 km² nos últimos seis anos. Também merecem atenção nas pesquisas, as cidades maranhenses de Alto Parnaíba, Grajaú, Tasso Fragoso e Barra do Corda.

Dutra, o beneficiado

O deputado federal Domingos Dutra que, prometeu fazer e acontecer, enganou companheiros, fez uma farsa de greve de fome e tudo quanto pode ser inimaginável em agressões aos adversários políticos, revela agora que na realidade chegou à aliança com a qual sonhava. Ele será candidato à reeleição à Câmara Federal no chapão PMDB, PT e outros partidos. Já sinalizou entendimentos com Raimundo Monteiro e Washington Oliveira e outros integrantes da coligação.

Previsões sobre as eleições proporcionais

Começaram, hoje, na Assembléia Legislativa, os cálculos que estimam as quantidades de parlamentares, por coligação, que serão eleitos. Os cálculos dos deputados Joaquim Haickel e de Marcelo Tavares se assemelham, com diferenças mínimas.

Para Joaquim Haickel, as chapas que disputam uma vaga no Legislativo maranhense, que apóia a governadora Roseana Sarney, devem eleger na média 30 parlamentares, sendo que o chapão elegerá no mínimo 16 deputados e no máximo 18; a chapa encabeçada pelo PRB de 4 a 5 deputados; a encabeçada pelo PTdoB de 3 a 4; a encabeçada pelo PSC também de 3 a 4 parlamentares, enquanto que o PT elegerá de 2 a 3 deputados.

Sobre a chapa proporcional à Assembléia Legislativa que apóia a candidatura do ex-governador Jackson Lago, Haickel prever a eleição de 7 a 8 deputados, enquanto a que apóia a candidatura de Flávio Dino elegerá de 4 a 5 parlamentares.

Segundo as previsões de Joaquim Haickel, o chapão de candidatos a deputado federal que apóia a coligação da governadora Roseana Sarney deve eleger de 12 a13 parlamentares, enquanto que a chapinha fica entre nenhum a 1 deputado.

Para o senado, Joaquim haickel acha que uma vaga está garantida para o senador Edison Lobão e que João Alberto tem tudo para conseguir a segunda vaga, visto que o seu nome é o melhor para disputar com o ex-governador José Reinaldo.

Marcelo Tavares, por sua vez, discorda com Joaquim Haickel na quantidade de deputados que serão eleitos para a Assembléia Legislativa da coligação que apóia Flávio Dino. Para Marcelo, a coligação deve eleger de 5 a 6 parlamentares, podendo chegar a 7, ficando na dependência do crescimento do candidato majoritário e dos votos de legenda.

Sobre a Câmara Federal, o deputado Marcelo disse que a coligação de apoio a Flávio Dino deve fazer apenas dois parlamentares, enquanto a de apoio a candidatura de Jackson Lago deve eleger 4 deputados.
Quanto ao Senado, Marcelo prever que os eleitos serão Edison Lobão e José Reinaldo, mas acredita que a presença da candidatura de João Alberto pode dificultar.

(Com informações Caio Hostílio)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidades de seus autores.